Porto do Açu comemora as conquistas de 2015 e já projeta planos para 2016

Assinaturas de novos contratos, início de operação do T-MULT, desenvolvimento de novos negócios e negociação de dívidas marcam nova fase do empreendimento

Redação


A Prumo encerrou 2015 comemorando diversas conquistas obtidas ao longo do ano, como a celebração de novos contratos, início de operação do Terminal Multicargas (T-MULT), desenvolvimento de novos negócios, equacionamento de dívidas, entre outros. Para 2016 a companhia esperar fortalecer o complexo diante do setor portuário brasileiro e mundial além de consolidar suas operações. Segundo o presidente da Prumo, José Magela Bernardes, este ano, serão iniciadas as operações do terminal de petróleo (T-OIL) e das unidades da Edison Chouest, atendendo ao contrato com a Petrobras, e da BP-Prumo, com a comercialização de combustível marítimo. “Queremos ser referência na prestação de serviço e criação de soluções para nossos clientes, além de ser reconhecidos como o melhor e mais seguro Porto em atuação no país. Com essa visão, conseguiremos colocar o Porto do Açu em destaque no cenário mundial”, afirma.


Novos contratos

Entre os principais destaques deste ano está o desenvolvimento da unidade da Edison Chouest, que antecipou suas opções de expansão de área e conta com 1.030 metros de frente de cais. Com 15 berços para atracação de navios e um estaleiro para reparos, a unidade, que já possui contrato assinado com a Petrobras, será a maior base de apoio offshore do mundo e poderá alcançar uma movimentação de mais de 6.000 embarcações por ano. A unidade, que está em construção, começa a operar em março de 2016.


Outro contrato firmado em 2015 foi com a BG para realizar transbordo de até 200 mil barris de petróleo por dia no T-OIL. O contrato tem duração de 20 anos e estabelece ainda que a BG terá a opção de aumentar a quantidade para até 320 mil barris por dia. O 1º embarque está previsto para agosto de 2016.


Segundo ele, este ano, uma fatia de 20% do T-OIL foi vendida para a alemã Oiltanking por U$200 milhões. A empresa também será responsável pelas operações do Terminal, licenciado para movimentar até 1,2 milhão de barris de óleo por dia e capacidade para receber navios de grande porte, do tipo VLCC (very large crude carriers). A previsão é que o T-OIL inicie as operações em abril de 2016.


Ainda segundo ele, o complexo começou uma parceria com a incorporadora carioca InterRio para a instalação de um hotel no Complexo Industrial. O empreendimento, que tem investimento previsto de R$ 30 milhões, terá área de 10.649 m² e 200 quartos. O hotel é o primeiro empreendimento de um centro de conveniência que está sendo desenvolvido no porto e contará ainda com salas comerciais e serviços de conveniência.


Novos negócios

Novos negócios também foram anunciados este ano. Em dezembro, uma sonda de perfuração semissubmersível de águas profundas, que pertence a Odebrecht Óleo e Gás (OOG), atracou no cais da Prumo no Terminal 2 (T2) onde serão realizados serviços de manutenção e de apoio de rotina por cerca de três meses.


Também vale destacar que, após a conclusão do acordo de recuperação judicial da OSX, coube à Prumo fazer a gestão comercial da área ocupada pelo estaleiro no Complexo Portuário do Porto do Açu. A empresa irá prospectar, com exclusividade, novos investidores dispostos a instalar empreendimentos voltados ou relacionados à indústria naval.


Dívida

Na área financeira, Chouest ressalta o sucesso da companhia no alongamento da dívida de curto com o BNDES (que contava com fiança dos bancos Bradesco e Santander), no valor de R$ 2,3 bilhões. Outro destaque foi a emissão de US$ 200 milhões de títulos de dívida no exterior, subscritos integralmente por uma afiliada do grupo canadense Brookfield. “Essas conquistas, principalmente em um cenário macroeconômico negativo, reforçam a importância e diferenciais do Porto do Açu, posicionando o empreendimento como um dos principais portos do mundo”, disse.




Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Guia Marítimo. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.