Navio-taque contratado para aumentar capacidade de escoamento da produção da Petrobras conclui primeira operação em Búzios

A embarcação, segunda a entrar em operação, integra a frota de quatro novos navios-tanque de posicionamento dinâmico (DP2) com capacidade de armazenamento de 1 milhão de barris cada

O Eagle Paulínia, segundo de quatro novos navios que estão sendo incorporados à frota de aliviadores da Petrobras em 2020, realizou as primeiras operações de alívio em Búzios, na Bacia de Santos, e concluiu seu primeiro ciclo operacional. Na última semana de agosto, a embarcação realizou dois offloadings – transferência do óleo – das plataformas P-74 e P-76, e fez transbordo da carga de petróleo para outro navio exportador em Angra dos Reis.

“As novas embarcações são fundamentais para atender ao grande potencial de produção da Petrobras, assim como à demanda por exportação do petróleo produzido pela companhia. Representam um grande salto de produtividade nas operações de offloading, em linha com nossa estratégia de gerar mais valor a partir de nossos ativos. Com essa estratégia, temos obtido resultados relevantes na operação, com sucessivos recordes de produção de petróleo no campo de Búzios, por exemplo; e na comercialização, com relevantes volumes de exportação de óleo e recorde de 1 milhão de barris por dia exportados em abril”, destaca André Chiarini, diretor de Comercialização & Logística da Petrobras.

Assim como o Eagle Petrolina, que opera desde julho na frota de aliviadores da Logística, o novo navio tem capacidade de transporte e armazenamento de 1 milhão de barris. Projetada sob medida e construída na Coréia do Sul, a embarcação da classe Suezmax é dotada de sistema Dynamic Positioning (DP2), com propulsores de alta potência e sistema de posicionamento dinâmico. Esse mecanismo permite estabilizar o navio de forma automática, garantindo a segurança e aumentando a eficiência da operação de alívio de petróleo. A embarcação também é equipada com bombas de carga acionadas eletricamente para aumentar o aproveitamento de combustível e reduzir custos.

O terceiro navio está na Coréia do Sul realizando testes e deve chegar ao Brasil em outubro. O quarto tem previsão de entrega em Singapura em novembro, e chegada ao Brasil em dezembro. As novas embarcações vão integrar a frota atual da companhia de 21 navios DP, que realizam cerca de 1.800 offloadings por ano. Além destes aliviadores, a Petrobras contratou, no início do ano, mais três navios-tanque, com entrega prevista para 2022. 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Guia Marítimo. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.