Maersk apresenta alternativas para manter as prateleiras abastecidas mesmo em tempos difíceis

Fórum de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 2022 reuniu especialistas para discutir impactos na cadeia de suprimentos

Os últimos 24 meses de pandemia consolidaram a importância de soluções para que as empresas possam continuar trabalhando com flexibilidade e agilidade diante dos desafios da cadeia de suprimentos. Congestionamentos, fechamento de portos e interrupções inesperadas causaram atrasos e gargalos que foram sentidos em todas as etapas da cadeia de suprimentos, do produtor ao fornecedor e ao consumidor, com prateleiras às vezes vazias.

As cadeias de suprimentos são ecossistemas vivos. Um dos principais insights coletados durante os últimos meses é que as empresas mudaram o foco de estar principalmente interessadas em economia de custos, para estar mais focadas em infundir agilidade e flexibilidade em cada etapa. Os efeitos diretos e indiretos de eventos passados estressaram as cadeias de suprimentos, revelando que as escolhas anteriores para otimizar as cadeias de suprimentos apenas pelo custo deixam espaço para vulnerabilidade.

'Lockdown' na China volta a impactar logística no Brasil

Esse foi o tópico principal do Fórum de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos de 2022 da Maersk (o primeiro desse tipo em dois anos),: como manter as prateleiras abastecidas em tempos difíceis. O Fórum destacou como as cadeias de suprimentos podem ser fortalecidas mergulhando no potencial inexplorado da logística integrada, sustentando-as quando confrontadas com interrupções de curto e longo prazo.

As cadeias de suprimentos são ecossistemas vivos - O velho paradigma de focar no just-in time, na previsão precisa e na otimização de custos está desatualizado e reage mal a choques como interrupções, atrasos e gargalos. A cadeia de suprimentos bem-sucedida de hoje integra agilidade, resiliência, flexibilidade e integração em cada etapa, garantindo que os resultados de negócios sejam frutíferos.

As cadeias de suprimentos eram anteriormente uma cadeia de entidades separadas, resultando em uma cadeia transacional e, às vezes, frágil. Isso tornou difícil para as empresas serem ágeis e prontas para desafios, pois as empresas compraram diferentes aspectos de suas cadeias de suprimentos em silos, dificultando a manutenção de uma visão clara das situações e desenvolvimentos.

Nearshore: Nova tendência do setor logístico?

Parceria é fundamental - Os problemas são melhor resolvidos juntos. Ao fazer se aliar a um parceiro logístico integrado, onde todas as suas necessidades logísticas são atendidas por um mesmo provedor, é mais fácil garantir flexibilidade, agilidade e confiabilidade na cadeia de suprimentos, pois já existem soluções para desafios disruptivos.

Um exemplo importante disso é a parceria da Maersk com a PUMA. O Dr. Thomas Liske, Diretor de Logística Global da PUMA, que falou no Fórum, destacou que a chave para manter suas “prateleiras” cheias durante os períodos difíceis dos últimos dois anos foi resultado de uma parceria com o parceiro certo. Por meio de uma comunicação construtiva, onde ambas as partes conseguiram significar o que precisavam para garantir os melhores resultados do relacionamento, veio o crescimento. Isso permitiu que os ativos fossem utilizados no nível ideal, que estruturas e processos fossem simplificados, dando mais visibilidade sobre questões logísticas e uma compreensão clara da situação geral.

O futuro é mais verde - Embora o transporte marítimo seja a maneira mais eficiente de transportar mercadorias, ele também é responsável por 3% das emissões globais de CO2 - por isso a importância de se investir e desenvolver soluções sustentáveis.

No entanto, esse movimento não é tão simples quanto apenas optar por fazer uma mudança. Como uma indústria verde não existe, ela precisou ser construída primeiro e continua em desenvolvimento.

A Maersk se comprometeu a, até 2030, reduzir 50% da intensidade de carbono nos produtos oceânicos, com 25% de toda carga transportada com combustível verde. Espera-se que os terminais tenham redução de 70% nas emissões de gases de efeito estufa, e um mínimo de 30% das cargas transportadas por via aérea usarão combustível de aviação sustentável. Armazéns e depósitos terão no mínimo 90% de operações verdes e o transporte terrestre seguirá as ofertas verdes líderes do setor.

Maersk garante combustível verde para o primeiro navio neutro em carbono do mundo

A promessa da Maersk de atingir emissões zero de CO2 até 2050 está bem encaminhada, com o primeiro navio alimentador neutro em carbono em escala piloto a ser lançado em 2023 e 12 grandes navios porta-contêineres neutros em carbono a serem lançados em 2024. O desenvolvimento contínuo neste campo significa que nossos clientes continuarão a ser capazes de garantir que estão tomando as medidas necessárias para trabalhar com um parceiro sustentável e oferecer a seus clientes e consumidores opções mais ecológicas.

O Fórum de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos de 2022 da Maersk contou com a participação de Vincent Clerc, CEO da Ocean and Logistics; Karsten Kildahl, Diretor Administrativo Regional da Europa; Birna Ödefors, Diretora Administrativa da Escandinávia; Jacob Sterling, Chefe de Descarbonização – Inovação e Desenvolvimento de Negócios e Julia Heil, Chefe de Logística e Descarbonização de Serviços. Além disso, o fórum também teve o prazer de receber especialistas do setor, como o Dr. Thomas Liske, Diretor de Logística Global da PUMA e Jesper Rangvid, Professor de Finanças da Copenhagen Business School, palestrantes convidados que forneceram insights sobre exemplos e experiências do mundo real.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Guia Marítimo. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.